Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11328/695
Title: A utilização da rede social Facebook nas bibliotecas escolares portuguesas (2010-2011).
Authors: Caldeira, Filipa Maria de Sousa Marinho da Silva
Keywords: Redes sociais
Redes sociais virtuais
Facebook
Bibliotecas escolares portuguesas
Web 2.0
Bibliotecas 2.0
Social networks
Virtual social networks
Portuguese school libraries
Libraries 2.0
TMCI
Issue Date: 2013
Citation: Caldeira, F.S.M.S. (2013). A utilização da rede social Facebook nas bibliotecas escolares portuguesas (2010-2011). Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação.
Abstract: O surgimento da Internet e, mais tarde, as tecnologias da Web social, transformaram não só a forma as pessoas e instituições se relacionam entre si, como também a forma como lidam com a informação. Essas mudanças também têm interferido na forma como as bibliotecas respondem às necessidades informacionais dos seus utilizadores, pelo que a adesão às tecnologias 2.0 se tornou inevitável. Assim, a utilização das redes sociais virtuais tornou-se, nos últimos anos, uma via de difusão, armazenamento e partilha de conteúdos, através da chamada "inteligência coletiva". Uma dessas redes sociais virtuais, o Facebook, tem-se revelado um dos meios para atingir tal fim. Neste sentido, torna-se necessário averiguar de que forma as bibliotecas selecionam e estruturam a informação nestes espaços virtuais, assim como a interação que estabelecem com os seus utilizadores. Em Portugal tem-se assistido a uma crescente adesão das Bibliotecas Escolares a esta rede social, razão de ser deste estudo, no qual procuramos perceber, não só a forma com as bibliotecas escolares utilizam a ferramenta Facebook, como também os objetivos que pretendem alcançar e se esses objetivos são ou não atingidos, assim como apurar ameaças e oportunidades advindas da sua utilização. Para elaboração da presente dissertação, recorremos a uma metodologia qualitativa, com observação direta dos perfis/páginas das bibliotecas escolares, durante um ano letivo (2010-2011); utilizamos uma fórmula para medir a interação entre os utilizadores e as publicações das bibliotecas em análise; aplicamos um inquérito por questionário, com três perguntas abertas, a fim de termos acesso a informação que não conseguimos obter através da observação direta; e, por último, criamos dez recomendações de utlização do Facebook nas bibliotecas escolares, às quais demos o nome de FABE (Facebook Aplicado às Bibliotecas Escolares). Do estudo realizado, concluímos que a adesão das bibliotecas escolares ao Facebook prendeu-se com o facto de se terem apercebido das suas potencialidades enquanto ferramenta, tendo como principais objetivos a divulgação das atividades da biblioteca, o estreitar laços com a comunidade educativa, a promoção do livro e da leitura e a questão do marketing dos serviços e da equipa da própria biblioteca. A maior parte das bibliotecas considerou cumpridos os objetivos estabelecidos e percecionaram no Facebook uma mais valia para as suas unidades de informação. Relativamente à utilização da ferramenta em si, as bibliotecas escolares não tiram partido das suas potencialidades e utilizam-na, regra geral, com as configurações que estão estabelecidas por defeito pela própria plataforma. No que diz respeito à interação entre os utilizadores e as publicações das bibliotecas escolares, concluímos que não foi possível obter resultados satisfatórios, na medida em que desconhecemos uma ferramenta capaz de medir todas as formas de interação que podem ocorrer no Facebook. Pudemos apurar os prós e os contras da utilização do Facebook nas bibliotecas escolares e algumas delas não reconheceram nenhuma desvantagem na sua utilização. Como vantagens, as bibliotecas mencionaram o maior alcance das publicações, o contacto com outras experiências e instituições, a maior interação com a comunidade educativa, o marketing dos serviços e recursos, a partilha de informação, a abertura às novas tendências (estar onde estão os alunos), a rapidez na divulgação da informação, a acessibilidade 24h por dia, a maior rentabilização dos recursos da biblioteca e o facto dos alunos se identificarem com ela através do Facebook; como desvantagens apontaram a dificuldade em manter a página atualizada (falta de tempo), a necessidade de ter alguns cuidados com a informação disponibilizada, os "amigos" com móbil comercial, questões relacionadas com a privacidade, condicionantes técnicas no acesso à plataforma e a falta de formação ma área.
The arrival of the Internet – and with it, the appearance of social web technologies – not only transformed the way people and institutions relate among themselves but also the way they deal with information. These changes have also interfered in the way libraries respond to the informational needs of their users, making the adhesion to 2.0 technologies inevitable. Thus, the use of social networking services in the past years has become a way of broadcasting, storing and sharing content in the so-called collective intelligence. One of those social networks, Facebook, has proven to be a way of doing exactly that. In this sense, it’s necessary to find out how libraries choose and structure information in these virtual spaces, along with the interaction they establish with their users. The adhesion of school libraries to this social network has increased in Portugal – thus the reason for this research. It’s important to understand not only the way school libraries use the tool Facebook but also the goals they want to achieve, if they are attainable or not, and also to find out threats and opportunities resulting of its usage. This research will try to answer these questions. For this dissertation, we used a qualitative methodology with direct observation of the school libraries’ profiles/pages during one school year (2010-2011); we used a formula to measure the interaction between users and the studied libraries’ publications; we applied a questionnaire survey with three open-ended questions, for the purpose of retrieving information not possible to access through direct observation; lastly, we created ten Facebook user recommendations in school libraries, which we named FABE (Facebook Aplicado às Bibliotecas Escolares – Facebook Applied to School Libraries). From this study we concluded that the school libraries’ adhesion to Facebook was connected to the awareness of its potential as a tool that offers as main goals the broadcast of the library’s activities, the possibility to shorten the school community ties, the promotion of books and of reading, and the matter of marketing the library’s services and staff. Most libraries considered that the established objectives were fulfilled and saw in Facebook a benefit for their information units. Regarding the tool’s usage per se, school libraries don’t take advantage of its potentialities and mainly use it with the platform’s default configurations. With respect to the interaction between users and the studied libraries’ publications, we concluded that it wasn’t possible to obtain sufficient results due to the fact that we don’t recognize a capable tool to measure all forms of interaction that occur on Facebook. We also inferred the pros and cons of Facebook’s usage in school libraries; some libraries didn’t even recognize any disadvantage in its utilization. As advantages, the libraries mentioned the greater spread of publications, the contact with other experiences and institutions, the bigger interaction with the school’s community, the marketing of services and resources, the sharing of information, the openness to new tendencies (being where students are), the promptness in spreading information, the accessibility 24 hours a day, the increased rentability of the library’s resources, and the fact that students identify themselves with the library through Facebook; as disadvantages they mentioned the difficulty in finding time to update their pages, the necessity to be cautious with given information, the Facebook friends with commercial intentions, the issues dealing with privacy, the technical settings for accessing the platform, and the lack of training in this area.
Description: Orientação: Prof.º Doutor José António Frias e Prof.ª Doutora Manuela Barreto Nunes.
URI: http://hdl.handle.net/11328/695
Appears in Collections:INPP - Dissertações de Mestrado / MSc Dissertations

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TMCI 4.pdf2.79 MBAdobe PDFView/Open
TMCI 4_ANEXO 3(respostas das be).pdf878.25 kBAdobe PDFView/Open
TMCI 4_Anexo1(Lista das BE detetadas no FB).pdf20.52 kBAdobe PDFView/Open
TMCI 4_anexo2(grelha recolha dados).pdf34.17 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.