Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11328/4249
Title: Crescimento pós-traumático e stress pós-traumático de mulheres angolanas após a guerra civil: influência da auto compaixão
Authors: Conde, Ana, orientador científico
Candeia, Benilde Alice Chilombo Pena
Keywords: Crescimento pós-traumático
Stress pós-traumático
Autocompaixão
Mulheres
Guerra Civil de Angola
Issue Date: 8-Jun-2022
Citation: Candeia, B. A. C. P. (2022). Crescimento pós-traumático e stress pós-traumático de mulheres angolanas após a guerra civil: influência da auto compaixão [Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde, Universidade Portucalense]. Repositório Institucional UPT. http://hdl.handle.net/11328/4249
Abstract: Introdução: O indivíduo, quando exposto a acontecimentos traumáticos como a guerra, pode desenvolver respostas patogénicas como a Perturbação de Stress Pós-Traumático (PSPT), mas, ao mesmo tempo, experienciar mudanças positivas no nível de funcionamento pré-trauma. Na literatura tem sido estudada a influência da autocompaixão enquanto fator de proteção no processo de adaptação ao trauma, diminuindo o stress pós-traumático e promovendo o crescimento pós-traumático (CPT). No entanto, poucos são os estudos que têm explorado o papel da Autocompaixão na saúde mental, perante a vivência de eventos potencialmente traumáticos como a guerra, particularmente em Angola e com mulheres, objetivo central do presente estudo. Método: Estudo transversal, envolvendo 156 mulheres, que responderam, em momento único, aos questionários, sociodemográfico, de autocompaixão, de stress pós-traumático e o de crescimento pós-traumático. Resultados: Os resultados identificaram níveis de sintomatologia traumática clinicamente significativos em quase metade da amostra (45,8%) e que as mulheres que vivenciaram a guerra diretamente apresentavam maior PSPT e CPT em relação às que não vivenciaram diretamente a guerra, não se observando diferenças significativas em termos da autocompaixão entre os dois grupos. A exposição direta à guerra, assim como diferentes dimensões da autocompaixão emergiram como preditores significativos tanto do stress-pós-traumático quanto do crescimento pós-traumático das mulheres angolanas decorrentes da exposição à Guerra Civil. Conclusão: Os resultados deste estudo constituem-se como um importante contributo para o avanço dos conhecimentos ao nível dos fatores de risco do desenvolvimento da sintomatologia traumática na sequência de situações de guerra, oferecendo-nos pistas do risco psicossocial que muitas das mulheres Angolanas vivem. De igual forma, apontam para a necessidade de desenvolver intervenções psicológicas com estas mulheres, focado na promoção de processos autocompassivos.
Introduction: The individual, when exposed to traumatic events such as war, may develop pathogenic responses such as Post Traumatic Stress Disorder (PTSD), but at the same time experience positive changes in the pre-trauma level of functioning. In the literature, the influence of self-compassion as a protective factor in the process of trauma adaptation, decreasing post-traumatic stress and promoting post-traumatic growth (PTS) has been studied. However, few studies have explored the role of self-compassion in mental health in the face of potentially traumatic events such as war, particularly in Angola and with women, the main objective of this study. Methodology: Cross-sectional study, involving 153 women, who answered, in a single moment, the questionnaires, sociodemographic, self-compassion, post-traumatic stress and post-traumatic growth Results: Results identified clinically significant levels of traumatic symptomatology in nearly half of the sample (45.8%) and that women who directly experienced the war had higher PSPT and CPT relative to those who did not directly experience the war, with no significant differences in terms of self-compassion between the two groups. Direct exposure to the war as well as different dimensions of self-compassion emerged as significant predictors of both post-traumatic stress and post-traumatic growth in Angolan women arising from exposure to the Civil War. Conclusion: The results of this study constitute an important contribution to the advancement of knowledge on the risk factors for the development of traumatic symptoms following war situations, offering us clues to the psychosocial risk that many Angolan women experience. Likewise, they point to the need to develop psychological interventions with these women, focused on the promotion of self-compassion process.
URI: http://hdl.handle.net/11328/4249
Appears in Collections:INPP - Dissertações de Mestrado / MSc Dissertations

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
exemplar_2549.pdf519.19 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.