Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11328/2109
Title: Procriação medicamente assistida e homossexualidade na lei e na imprensa portuguesa
Authors: Guimarães, Ana Paula
Keywords: Procriação medicamente assistida
Casais homossexuais
Técnica subsidiária
Técnica alternativa
Igualdade
Issue Date: 2017
Publisher: Ediciones Egregius
Citation: Guimarães, A. P. (2017). Procriação medicamente assistida e homossexualidade na lei e na imprensa portuguesa. In A. M. Ortega Pérez, & V. García Prieto (coord.), Voces alternativas: Investigación multidisciplinar en comunicación y cultura (pp. 142-156). Sevilha: Ediciones Egregius. Disponível no Repositório UPT, http://hdl.handle.net/11328/2109
Abstract: Em Portugal, o recurso às técnicas de procriação medicamente assistida esteve reservado apenas às pessoas casadas, que não se encontrassem separadas judicialmente de pessoas e bens ou separadas de facto, ou às que, sendo de sexo diferente, vivessem em condições análogas às dos cônjuges há pelo menos dois anos. Assim foi desde a entrada em vigor da Lei n.º 32/2006, de 26 de Julho. Acontece que, com a Lei n.º 9/2010, de 31 de Maio (cujo início de vigência ocorreu em 05 de Junho desse ano), o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo passou a ser legalmente possível, alterando o conceito de casamento. Este é entendido como “o contrato celebrado entre duas pessoas que pretendem constituir família mediante uma plena comunhão de vida”, nos termos previstos no artigo 1577.º do Código Civil. Esta alteração marcou um desajustamento não facilmente resolúvel entre a finalidade do casamento de “constituição de família” e a inerente vontade dos casais do mesmo sexo de terem filhos. Acresce que a lei subordinava o uso das técnicas de procriação medicamente assistida ao diagnóstico de infertilidade ou para tratamento de doença grave ou risco de transmissão de doenças de origem genética, infecciosa ou outras, portanto, a fins de natureza subsidiária de procriação e não alternativa. Em Junho de 2016 foi aprovado o alargamento dos beneficiários às técnicas de procriação medicamente assistida, assegurando o seu acesso a todas as mulheres. O referencial heterossexual da Lei n.º 32/2006 e a compreensão da descendência ligada ao casamento ou união de facto entre pessoas de sexo diferente ficaram ultrapassados. A superação do modelo familiar heterossexual, no que respeita ao uso das técnicas laboratoriais de procriação medicamente assistida, na lei portuguesa, será objecto deste texto, ao lado da cobertura mediática desta questão, ao nível da ultrapassagem de barreiras e mudança de mentalidades.
URI: http://hdl.handle.net/11328/2109
ISBN: 978-84-17270-21-6
Appears in Collections:IJP - Livros e Capítulos de Livros / Books and Book Chapters

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Procriaçao medicamente assistida e homossexualidade.pdf276.88 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.