Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11328/1233
Title: Amor, sexualidade e (des)investimento romântico: um estudo misto com casais swingers e não swingers.
Authors: Santos, Ana Raquel Silva Durão
Keywords: Desinvestimento romântico
Satisfação sexual
Amor
Swing
Romantic disengagement
Sexual satisfaction
Love
Issue Date: Mar-2015
Publisher: Universidade Portucalense
Citation: Santos, A. R. S. D. (2015). Amor, sexualidade e (des)investimento romântico: um estudo misto com casais swingers e não swingers. (Dissertação de Mestrado), Universidade Portucalense, Portugal.
Abstract: Nesta investigação assume-se como hipótese teórica fundamental que o desenvolvimento psicossexual dos casais expõe um processo complexo de desinvestimento romântico e que a adoção do swing constitui uma estratégia de redefinição profunda da aliança conjugal que pode desempenhar uma função compensatória. Sendo um comportamento culturalmente contra-hegemónico, transgredindo a norma sexual da conjugalidade monogâmica e envolvendo mudança de atitudes e de estruturas relacionais, tem efeitos psicológicos intensos. A presente investigação procurou compreender como é que os sujeitos assumem o estilo de vida swinger e qual o seu impacto na conjugalidade e na sexualidade, comparando casais swingers (SW) com casais não swingers (NSW). A amostra do estudo, recolhida de forma não probabilística, é constituída por 51 casais (n=102 sujeitos) em relação heterossexual, dos quais 12 são SW e 39 são NSW. O estudo contemplou duas fases: uma primeira com visitas etnográficas a clubes de swing e uma segunda correspondente a um “design misto sequencial explanatório”, consistindo na administração de questionários (Escala do Amor Triangular de Sternberg, Grelha de Orientação Sexual de Klein, Questionário de Satisfação com Relacionamento Sexual, Escala de Atitudes Sexuais, Questionário de Vinculação Amorosa e algumas facetas do Inventário Personalidade NEO-PI-R) e na realização de entrevistas semi-estruturadas. Os resultados evidenciaram que os SW apresentaram, comparativamente com os NSW, mais amor, maior fluidez na orientação sexual, mais satisfação sexual, mais permissividade, comunhão, práticas sexuais impessoais e instrumentalidade e, ainda, maior abertura à experiência. Foram igualmente encontradas diferenças de género em cada um dos grupos (SW e NSW) e correlações da satisfação sexual e do amor com variáveis biopsicossexuais em SW e NSW. Conclui-se que os NSW se apresentaram como mais conservadores, orientando-se pela normatividade monogâmica, enquanto os SW revelaram-se como mais hedonistas e não normativos, contrariando os scripts vigentes com benefícios psicossexuais. Discutem-se, por fim, as limitações e os contributos da presente investigação assim como algumas recomendações para estudos futuros.
In this research it is assumed as fundamental theoretical hypothesis that the marital, psychosexual, development encompasses a complex process of romantic disengagement, and that the adoption of swing lifestyle consists in a deep redefinition of the marital alliance that may play a compensatory role. Being a culturally counter-hegemonic behavior, breaking the sexual norm of monogamous marriage and, thereby, involving the change of attitudes and relational structures, it has intense psychological effects. This research sought to understand how couples assume the swinging lifestyle and assess its impact on their marital experience and sexuality, comparing swinger (SW) and non-swinger (NSW) couples. The sample, collected in a non-probabilistic manner, consists of 51 couples (n=102 subjects) in heterosexual relationships, including 12 SW couples and 39 NSW couples. The study included two phases: a first phase, with ethnographic visits to swing clubs, and a second phase, where a “explanatory sequential design” was comprised, involving questionnaires administration (Sternberg Triangular Love Scale, Klein Sexual Orientation Grid, Self Esteem and Relationship Questionnaire, Sexual Attitudes Scale, Romantic Attachment Questionnaire and some facets of the NEO PI-R) and semi-structured interviews. The results showed that SW had, compared with the NSW, more love, more fluidity in sexual orientation, more sexual satisfaction, more permissiveness, communion, impersonal sexual practices and instrumentality and also greater openness to experience. Significant gender differences in each group (SW and NSW) and correlations of sexual satisfaction and love with biopsychosexual variables in SW and NSW were also found. It was concluded that the NSW were more conservative and guided by the monogamous normativity. Moreover, it was found that SW couples were more hedonist and have non- normative behaviors, breaking with the current scripts with psychosexual benefits. Finally, some limitations and contributions of this research are discussed, and some recommendations for future studies are suggested.
Description: Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde.
URI: http://hdl.handle.net/11328/1233
Appears in Collections:INPP - Dissertações de Mestrado / MSc Dissertations

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Acesso Restrito.pdf406.96 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.